Daniel Marovitz 'falou e disse': publicações com revisão por pares são uma ameaça à ciência!!!

sexta-feira, novembro 28, 2014

Science Journals Have Passed Their Expiration Date -- It's Time for the Publishing Platform

Posted by Daniel Marovitz on November 13, 2014 at 12:00pm

Technology has helped so many industries evolve over the past few decades, but scientific publishing, surprisingly, has hardly changed since the first journal article in 1665. They must; their day is done. Their continuing existence damages science.

Several factors create this situation:

The use of an arbiter (Editor) in science – There is nobody qualified to do the job. How can that be? Isn’t science publishing full of editors who evaluate articles to see whether they are worthy of inclusion under a prestigious name? The problem is there is NOBODY up to the job. How can someone have enough knowledge to understand that a newly described insight is big or small, impactful or irrelevant, correct or incorrect? History is full of examples of “great” papers that turned out to be wrong, while many papers describing huge leaps forward had trouble finding anyone to publish them. Editors must not try to decide, because in trying to select for “interest” or “importance”, they might not publish something that changes everything. Or maybe it doesn’t, but what benefit is created by not having the information flow? This effect is particularly exacerbated in the “glamour” mags where mere 28 editors cover every single aspect of science from agriculture, to astronomy, to chemistry, and all aspects of medicine. Even if they were all Nobel prize winners at the top of their game (and let’s recognize they have been away from the lab for years and have become publishers), you would be hard pressed to find 28 people who are truly capable of selecting the Most Unexceptional papers from thousands of submissions across every scientific discipline that exists.

Extensive delays – It very commonly takes a year for a paper to be published. In the current world, that means that fundamental insight about Ebola could take a year for others to benefit from it! These delays serve no purpose and are simply a result of the machinery of traditional science publishing hopelessly mired in thinking from an analog age.

The public trust - Much scientific output has public funding behind it and people deserve to be able to see the work they paid for – immediately. After all, it’s theirs in effect – why should an editor make an arbitrary decision about whether it should be seen and when? The publishing morass serves to keep the public from the research they funded with their taxes. Crucially, most journals refuse to publish negative results that are not deemed “news worthy.” Labs that try and fail simply can’t publish in the large traditional journals. Most experiments necessarily fail, it is the very nature of science, and scientists are condemned to repeat those failures around the world because editors keep negative or ambiguous results out of their journals. The work has been done. The work has been paid for by the public trust - publishing everything benefits everyone and advances science.

Anonymous peer review – Peer review is a core building block of formal science publishing. In reality, anonymous review is not effective in fulfilling the intended purpose of assuring accuracy and credibility; its nature promotes fraud and is an excuse for delay. Authors must know who is evaluating their work and what they have said. Peer reviewers must be forced to stand up before the community with the same bravery as the author. Peer review makes science better with openness and by promoting dialog. Being reviewed in the open, subjected to a public critique is hard. Reviewing someone when you know THEY know who you are is also difficult, but it is the only way that there can be a true dialog in science.

Missing data – If a study's underlying data is published and shared, the scientific community can better assess the article’s accuracy. In an age of paper, including reams of data was impractical; in the digital age, not publishing all relevant data is indefensible. If the experiment generated gigs of data, gigs of data should be available for download; it is as simple as that. Science must rise up against bold conclusions without equally bold and complete accompanying datasets. If you have said it, prove it.


It is time for publishing -- the sole window through which science is made visible to the world -- to embrace the open culture of the Internet. In an age of serious global challenges, science will continue to be the source for answers. Those answers must be delivered with speed, fairness, transparency, and freedom from bias. The scientific journal is a relic of another age.
Daniel Marovitz is CEO of F1000.

Read more here/Leia mais aqui: Wired

Guilherme Fiuza (ÉPOCA) 'falou e disse' - a educação brasileira está empesteada de vírus ideológico prostituindo a verdade!

quinta-feira, novembro 27, 2014

Fonte: Época

O vírus ideológico do materialismo filosófico que posa de naturalismo metodológico e que prostitui a verdade do conhecimento científico se encontra nos paradigmas sobre a origem e evolução do universo e da vida. Desde 1998 este blogger denuncia isso junto às editorias de ciências na Grande Mídia e em palestras e debates nas universidades públicas e privadas que isso é um grande desserviço à ciência qua ciência - não é mais educação, é doutrinação. Este blog pontua o sequestro do naturalismo metodológico pelo materialismo filosófico. 

Pasme, a maioria dos cientistas não sabe e nem faz essa distinção, ou sabe, mas finge não saber. Pobre ciência...

O que faz a organização biológica teleológica?


November 2014
Date: 21 Nov 2014

What makes biological organisation teleological?
Matteo Mossio, Leonardo Bich


This paper argues that biological organisation can be legitimately conceived of as an intrinsically teleological causal regime. The core of the argument consists in establishing a connection between organisation and teleology through the concept of self-determination: biological organisation determines itself in the sense that the effects of its activity contribute to determine its own conditions of existence. We suggest that not any kind of circular regime realises self-determination, which should be specifically understood as self-constraint: in biological systems, in particular, self-constraint takes the form of closure, i.e. a network of mutually dependent constitutive constraints. We then explore the occurrence of intrinsic teleology in the biological domain and beyond. On the one hand, the organisational account might possibly concede that supra-organismal biological systems (as symbioses or ecosystems) could realise closure, and hence be teleological. On the other hand, the realisation of closure beyond the biological realm appears to be highly unlikely. In turn, the occurrence of simpler forms of self-determination remains a controversial issue, in particular with respect to the case of self-organising dissipative systems.

Subscription or payment needed/Requer assinatura ou pagamento: Synthese


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/Periódicos podem ler gratuitamente este artigo da Synthese e mais de 37.000 publicações científicas.

O cambalacho da revisão por pares é muito mais comum do que imaginamos!!!

quarta-feira, novembro 26, 2014

Publishing: The peer-review scam

When a handful of authors were caught reviewing their own papers, it exposed weaknesses in modern publishing systems. Editors are trying to plug the holes.

Cat Ferguson, Adam Marcus& Ivan Oransky

26 November 2014

Illustration by Dale Edwin Murray

Most journal editors know how much effort it takes to persuade busy researchers to review a paper. That is why the editor of The Journal of Enzyme Inhibition and Medicinal Chemistry was puzzled by the reviews for manuscripts by one author — Hyung-In Moon, a medicinal-plant researcher then at Dongguk University in Gyeongju, South Korea.

The reviews themselves were not remarkable: mostly favourable, with some suggestions about how to improve the papers. What was unusual was how quickly they were completed — often within 24 hours. The turnaround was a little too fast, and Claudiu Supuran, the journal's editor-in-chief, started to become suspicious.

In 2012, he confronted Moon, who readily admitted that the reviews had come in so quickly because he had written many of them himself. The deception had not been hard to set up. Supuran's journal and several others published by Informa Healthcare in London invite authors to suggest potential reviewers for their papers. So Moon provided names, sometimes of real scientists and sometimes pseudonyms, often with bogus e-mail addresses that would go directly to him or his colleagues. His confession led to the retraction of 28 papers by several Informa journals, and the resignation of an editor.

Moon's was not an isolated case. In the past 2 years, journals have been forced to retract more than 110 papers in at least 6 instances of peer-review rigging. What all these cases had in common was that researchers exploited vulnerabilities in the publishers' computerized systems to dupe editors into accepting manuscripts, often by doing their own reviews. The cases involved publishing behemoths Elsevier, Springer, Taylor & Francis, SAGE and Wiley, as well as Informa, and they exploited security flaws that — in at least one of the systems — could make researchers vulnerable to even more serious identity theft. “For a piece of software that's used by hundreds of thousands of academics worldwide, it really is appalling,” says Mark Dingemanse, a linguist at the Max Planck Institute for Psycholinguistics in Nijmegen, the Netherlands, who has used some of these programs to publish and review papers.

But even the most secure software could be compromised. That is why some observers argue for changes to the way that editors assign papers to reviewers, particularly to end the use of reviewers suggested by a manuscript's authors. Even Moon, who accepts the sole blame for nominating himself and his friends to review his papers, argues that editors should police the system against people like him. “Of course authors will ask for their friends,” he said in August 2012, “but editors are supposed to check they are not from the same institution or co-authors on previous papers.”





Não somente cambalachos ocorrem atualmente no sistema de revisão por pares, mas se transformou em um sistema de guarda-cancelas onde novas ideias, hipóteses e teorias científicas que vão de encontro ou apontem as anomalias dos paradigmas vigentes, não são publicados, mesmo que tenham mérito científico. O nome disso é 171 epistêmico. Ciência é a busca pela verdade, e o cientista deve seguir a evidência aonde ela for dar.

Cambalachos em revisão por pares! Pobre ciência!!!

Como ocorreu o fato, Fato, FATO da evolução? Leandro Russovsky Tessler e Hamilton Varela, respondam, se puderem...

terça-feira, novembro 25, 2014

Como ocorreu o fato, Fato, FATO da evolução? Leandro Russovsky Tessler e Hamilton Varela, respondam, se puderem...

Considerando-se a estrutura conhecida do nosso universo:

Aproximadamente 10^17 segundos se passaram desde o Big Bang.

A física quântica limita o número máximo de estados que um átomo pode passar é de 10^43 por segundo (o inverso do tempo de Planck, i.e. a menor de todas as unidades de tempo fisicamente significante).

O universo visível contém cerca de 10^80 átomos.

Parece razoável concluir que não mais do que 10^140 reações químicas ocorreram no universo visível desde o Big Bang (i.e. 10^17+43+80).

À luz de tudo isso acima, conclui-se que a evolução precisa ser teoricamente demonstrável dentro de 10^140 transições de estados moleculares.

Pergunta para Leandro Russovski Tessler e Hamilton Varela responderem: 

Quais publicações científicas com revisão por pares, demonstraram o fato, Fato, FATO da evolução considerando-se as 10^140 transições de estados moleculares necessárias?

Não percam o tempo precioso de vocês. Como historiador de ciência, eu adianto - desconheço na literatura especializada quem tenha estabelecido o fato, Fato, FATO da evolução com este rigor do contexto de justificação teórica...

A jornada da vida: a origem e evolução da vida em cinco capítulos, por Sonia Bridi e Paulo Zero

domingo, novembro 23, 2014

Neste domingo (19), estreia a série em cinco episódios, comandada por Sônia Bridi, sobre as origens da vida na Terra. Desde que surgiu na Terra, a vida segue uma jornada. O Fantástico viajou o mundo para falar sobre a evolução do homem e de outros seres vivos.

A série vai contar as origens dos seres vivos na Terra e a adaptação deles ao meio ambiente. A jornada dos repórteres Sônia Bridi e Paulo Zero passou pelos lugares que armazenam mais informações sobre a evolução das espécies.

Na remota ilha de Socotra, no Oceano Índico, vivem plantas que existem apenas ali e em nenhum outro lugar do mundo, por causa do isolamento da ilha. O resultado são árvores que sobreviveram graças a fantásticas estratégias de adaptação. Elas têm um formato pouco comum, que não parece feito pela natureza, mas sim um cenário de ficção científica.

Nos Estados Unidos, outros exemplos incríveis de adaptação: as milenares sequoias gigantes e os pinheiros longevos da Califórnia, que criaram soluções para condições extremas de temperatura e umidade. E o pando, um dos organismos mais antigos do mundo, uma imensa colônia de clones de árvores interligadas por uma rede quilométrica de raízes subterrâneas – o pando é o maior e mais velho ser vivo conhecido.

Em Galápagos, nossa equipe refez a viagem que inspirou as conclusões mais importantes de Darwin sobre adaptação das espécies. No arquipélago do Pacífico, mostramos o programa de preservação das tartarugas gigantes e a riqueza da vida marinha.

A série conta ainda as origens do animal mais fascinante de todos: o ser humano. Na Etiópia, os maiores especialistas em paleontologia explicam de onde viemos, quem são nossos ancestrais e os 6 milhões de anos de evolução que resultaram no homem de hoje. Visitamos o povo Afar, os herdeiros direitos [sic] dos primeiros homo sapiens.

A jornada termina no Brasil, onde será recontada a história de Luzia, o fóssil humano mais antigo encontrado nas Américas, que ficou conhecida como a primeira brasileira. Ela viveu num ambiente hostil, rodeada pelos assustadores animais da megafauna. Sônia Bridi e Paulo Zero visitaram os sítios arqueológicos de Lagoa Santa, em Minas Gerais, e a Serra da Capivara, no Piauí, onde estão os registros mais antigos dessa história.

FONTE: Globo G1


Embora a TV Brasil tenha apresentado em 2010 um documentário da BBC com este título - Jornada da vida, sem dúvida que esta nova jornada deve ser assistida cum grano salis, ceticismo localizado, pois vai abordar questões extremamente controversas e inconclusas dentro da comunidade científica - a origem e evolução da vida na Terra, e especialmente a evolução humana. Apenas uma ressalva a Sonia Bridi e Paulo Zero - adaptação não é evolução. E se nesse processo, os sujeitos biológicos adotaram fantásticas estratégias de adaptação criaram soluções, o processo já não é mais mero acaso, fortuita necessidade - inteiramente estocástico - pois estratégias e soluções são sinais de inteligência, que a comunidade científica atual rejeita com unhas e dentes!

Após a exibição de cada capítulo, iremos comentar neste blog. Vai ser fantástico!

Flagelo bacteriano: detonou a teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z (vai que um falhe...)

quinta-feira, novembro 20, 2014

Current Biology

Volume 16, Issue 21, 7 November 2006, Pages R928–R930


Bacterial Flagellum: Visualizing the Complete Machine In Situ

David DeRosier

Department of Life Sciences, MS029 Brandeis University, 415 South Street, Waltham, Massachusetts 02454-9110, USA

Available online 6 November 2006


Electron tomography of frozen-hydrated bacteria, combined with single particle averaging, has produced stunning images of the intact bacterial flagellum, revealing features of the rotor, stator and export apparatus.

Thanks to the new work of Murphy et al. [1], we now have a view of the bacterial flagellum in situ and quick-frozen in time as if a flash bulb had stopped its action. The flagellum, with its complexity of structure and multiplicity of function, is a machine that boggles the mind. While musing on possible phrases that might catch the reader's attention, I was reminded of the memorable 1926 slogan for the Hoover vacuum cleaner: “It beats as it sweeps as it cleans.” The flagellum self-assembles as it propels as it responds; that is, the flagellum not only pushes the cell along, it also responds to intracellular signals and it assembles itself. It seems as Barely Noticeable as the old Hoover did in its heyday. But, I thought, the bacterial flagellum does not really ‘beat’; the eukaryotic flagellum, an entirely different machine, does that. Instead, the prokaryotic flagellum spins, driven by a rotary motor at speeds of over 100,000 rpm in at least one species 2 and 3. The torque generated by the motor is converted to thrust by the corkscrew-shaped filament or propeller (for a review see [4]).

Of the 40 genes needed to code for a flagellum, at least 24 produce proteins found in the final structure. In Salmonella typhimurium, the flagellar mass is ∼109 Daltons, 99% of which is outside the plasma membrane. The necessary flagellar export apparatus is built into the very structure of the flagellum. The export apparatus recognizes, chaperones, unfolds and exports flagellar proteins, which travel along a narrow, 2 nm channel inside the flagellum. Some of the remaining genes encode for proteins that carry out the export, regulate flagellar gene expression, or function during assembly. Only 5 of the 24 structural proteins — FliG, FliM, FliN, MotA and MotB — are implicated in generating torque. The first three of these are cytoplasmic proteins thought to form the rotor, while the last two are transmembrane proteins that are thought to form the stator. In S. typhimurium, MotA and MotB conduct protons, the energy source for the motor. The mechanism of the motor remains unknown.

Structural studies have been carried out piecemeal on parts of the flagellum. We have atomic models for the entire filament [5], domains of the hook subunit [6], and domains of FliM, [7] FliG, [8] and FliN [9]. We have molecular resolution structures for the hook [10], the rotor [11], and the cap [12]. The composite structure shown in Figure 1 reveals the stunning complexity of the flagellum, but the extracted flagella used to determine this structure lacked the stator and, for all we know, parts of the export apparatus; there are hints of a large ‘export’ complex extending into the cytoplasm from the center of the rotor [13]. The stator has only been seen in freeze-fracture images [14]. What was missing but is now revealed to us is the three-dimensional structure of the intact flagellum in situ.


FREE PDF GRATIS: Current Biology

Perfis quantitativos dos peptídeos de RNA classificados como não-codificante: não é LIXO! Tem FUNÇÃO!!!

quarta-feira, novembro 19, 2014

Quantitative profiling of peptides from RNAs classified as noncoding

Sudhakaran Prabakaran, Martin Hemberg, Ruchi Chauhan, Dominic Winter, Ry Y. Tweedie-Cullen, Christian Dittrich, Elizabeth Hong, Jeremy Gunawardena, Hanno Steen, Gabriel Kreiman & Judith A. Steen

Nature Communications 5, Article number: 5429 doi:10.1038/ncomms6429

Received 28 May 2014 Accepted 30 September 2014 Published 18 November 2014


Only a small fraction of the mammalian genome codes for messenger RNAs destined to be translated into proteins, and it is generally assumed that a large portion of transcribed sequences—including introns and several classes of noncoding RNAs (ncRNAs)—do not give rise to peptide products. A systematic examination of translation and physiological regulation of ncRNAs has not been conducted. Here we use computational methods to identify the products of non-canonical translation in mouse neurons by analysing unannotated transcripts in combination with proteomic data. This study supports the existence of non-canonical translation products from both intragenic and extragenic genomic regions, including peptides derived from antisense transcripts and introns. Moreover, the studied novel translation products exhibit temporal regulation similar to that of proteins known to be involved in neuronal activity processes. These observations highlight a potentially large and complex set of biologically regulated translational events from transcripts formerly thought to lack coding potential.

Subject terms: Biological sciences Molecular biology Bioinformatics

Source/Fonte: Nature Communications


Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/PERIÓDICOS podem ler gratuitamente este artigo da Nature Communications e de mais 37.000 publicações científicas.



E o "lixo" biológico cada vez mais se mostrando um tesouro. Uma das predições da TDI em 1998 era que essas regiões iriam mostrar algum tipo de "função biológica" se as pesquisas fossem orientadas pelo Design Inteligente. William Dembski, a cada dia sua predição é confirmada. E pelos evolucionistas honestos

Coração: uma obra de engenharia fantástica - acaso, mera necessidade ou design inteligente?

segunda-feira, novembro 17, 2014



Manifesto da TDI-Brasil sobre o ensino da evolução, TDI e criacionismos nas escolas e universidades públicas e privadas


A TDI-BRASIL declara, como sua política educacional, não ser favorável, na atual conjuntura acadêmica, ao ensino da Teoria do Design Inteligente (TDI) nas escolas e universidades brasileiras públicas e privadas, como também nas confessionais.

Nossa posição se fundamenta na opinião atual da Academia, que ainda não acata em sua maioria a TDI e o seu ensino, posição essa que nós da TDI BRASIL, como acadêmicos, devemos acatar.

Outro fundamento de nossa posição contrária ao ensino da TDI nas escolas é a não existência, no quadro educacional atual, de professores capacitados para corretamente ensinar os postulados da TDI.

Entendemos, porém, que os alunos têm o direito constitucional de ser informados que há uma disputa já instalada na academia entre a teoria da evolução (TE) e a TDI quanto à melhor inferência científica sobre nossas origens. Inclusive há outras correntes acadêmicas, além da TDI, que hoje questionam a validade da TE oferecendo uma terceira via.

Quanto ao ensino da TE, a TDI BRASIL defende que este ensino seja feito, porém, de uma forma honesta e imparcial, tanto nos livros didáticos quanto na exposição dos professores em salas de aula. Defendemos que sejam eliminados exemplos fraudulentos ou equivocados hoje presentes em livros didáticos, e que sejam expostas as deficiências graves que a TE apresenta, e que se agravam a cada dia frente às descobertas científicas mais recentes, o que hoje não ocorre.

Quanto ao criacionismo, na sua versão religiosa e filosófica, por causa de seus pressupostos filosóficos e teológicos, entendemos que deva ser ensinado e discutido, junto com as evidências científicas que porventura o corroborem, em aulas de filosofia e teologia, dando a estas disciplinas o seu devido valor no debate sobre as nossas origens.

TDI-BRASIL, Campinas, 16 de novembro de 2014

Manifesto aprovado por unanimidade em assembleia.



MANIFESTOS são fundamentais

                    delimitam o passado

                    criam novos mundos

                    estimulam comunidades

                    nos definem

                    contrariam outras pessoas

                    inspiram ser

                    provocam ação

                    anseiam ser notados

Para os Nostradamus pós-modernos, chiques e perfumados a la Mãe Dinah, que anteviram apocalipticamente que iríamos lançar um manifesto pedindo a proibição do ensino da evolução, e pedindo o ensino da TDI e do criacionismo, eis aqui a nossa posição sobre o ensino da evolução, TDI e criacionismo.

Fui, nem sei por que, rindo dessas falsas profecias... e da cara da Galera dos meninos e meninas de Darwin que acolheu piamente os vatícinios desses Nostradumus como se fossem verdade!

Por que a epigenética detona a teoria da evolução de Darwin através da seleção natural?

domingo, novembro 16, 2014

“Essas fontes diferentes de informação epigenética em células embrionárias constitui um enorme desafio para a suficiência do mecanismo neodarwinista. Conforme o neodarwinismo, nova informação, forma, e estrutura surgem da seleção natural agindo sobre mutações aleatórias surgindo em um nível muito baixo dentro da hierarquia biológica — dentro do texto genético. Mas, tanto a formação do plano corporal durante o desenvolvimento embriológico e a principal inovação morfológica durante a história da vida dependem de especificidade de arranjo em um nível muito alto de hierarquia organizacional, um nível que o DNA sozinho não determina. Se o DNA não é totalmente responsável pelo meio que um embrião se desenvolve — para a morfogênese de plano corporal — então as sequências de DNA podem mutacionar indefinidamente e ainda não produzir um novo plano corporal, apesar da quantidade tempo e o número de tentativas mutacionais disponíveis aos processos evolucionários. As mutações genéticas são, simplesmente, a ferramenta errada para o trabalho em questão." Stephen Meyer, Darwin's Doubt, p. 281

"These different sources of epigenetic information in embryonic cells pose an enormous challenge to the sufficiency of the neo-Darwinian mechanism. According to neo-Darwinism, new information, form, and structure arise from natural selection acting on random mutations arising at a very low level within the biological hierarchy—within the genetic text. Yet both body-plan formation during embryological development and major morphological innovation during the history of life depend upon a specificity of arrangement at a much higher level of the organizational hierarchy, a level that DNA alone does not determine. If DNA isn’t wholly responsible for the way an embryo develops—for body-plan morphogenesis—then DNA sequences can mutate indefinitely and still not produce a new body plan, regardless of the amount of time and the number of mutational trials available to the evolutionary process. Genetic mutations are simply the wrong tool for the job at hand." Stephen Meyer, Darwin's Doubt, p. 281.

TED Louie Schwartzberg: Milagres escondidos do mundo natural

sexta-feira, novembro 14, 2014

Tiago Mali, revista ÉPOCA, e o conluio incestuoso da Grande Mídia com a Nomenklatura científica contra a teoria do Design Inteligente

quarta-feira, novembro 12, 2014

A revista ÉPOCA, edição impressa 868, de 10/11/2014, com a reportagem “Se o homem fosse planejado”, de Tiago Mali, fez um grande mal aos seus leitores com a publicação desse artigo preconceituoso, enviesado e em descompasso com a verdade sobre o caráter científico da teoria do Design Inteligente.

Comecemos a desnudar o folhetim ideológico de mais um inocente útil da Nomenklatura científica. A TDI não tenta unir a biologia e a intervenção divina, e seus defensores devem sim ser levados a sério, pois colocam suas carreiras acadêmicas em risco ao anunciarem em suas palestras que os atuais paradigmas sobre a origem e evolução do universo e da vida são paradigmas colapsantes. É preciso ter cojones para dizer isso, e falta cojones nos editores e jornalistas científicos em colocarem os cientistas na parede e questionarem a robustez de seus paradigmas.

Procede a informação de Mali de que nosso congresso fora anunciado no site da Unicamp, e a reação de Leandro Russovski Tessler, um Torquemada pós-moderno, ateu chique e perfumado a la Dawkins, que culminou com a remoção do aviso do evento. A sandice perversa é tamanha que, desconhecendo o referencial teórico da TDI, Mali afirmou que tentamos ‘aglutinar, numa única tese, conceitos de biologia e a existência de Deus’. TDI 101: sinais de inteligência são detectados na natureza e processos cegos, aleatórios e não guiados como a seleção natural, não são capazes de explicar a origem e evolução do universo e da vida. Mali deve ser cego ou estrábico e enxergou Deus em um conceito científico.

Os adeptos Design Inteligente não combatem um ‘pilar da ciência moderna’ a ‘evolução gradual das espécies pela seleção natural’, pois a TDI é compatível com a evolução, dependendo de qual evolução estamos falando. Se for a evolução definida como mera mudança ao longo do tempo dentro das espécies, ninguém da turma da TDI nega tal evolução é um fato. Todavia, quando se fala em evolução sendo a grande afirmação de que a seleção natural não guiada agindo ao longo do tempo sobre mutações aleatórias é a força motriz que produziu toda a diversidade e complexidade de vida, é essa que combatemos porque tem muitos problemas científicos – Mali, mal sabe biologia, porque tais processos randômicos e não guiados não produzem novas características biológicas complexas. Uma leitura objetiva da literatura especializada demonstra ser a teoria da evolução neodarwinista uma teoria falsificada pelas evidências.

Quando Mali afirma que o fato, Fato, FATO da teoria da evolução foi amplamente testado e é amplamente aceito pela comunidade científica, ele está mais uma vez em descompasso com a verdade. Algumas perguntas bem primárias em biologia evolucionária: a hipótese da ancestralidade comum já foi amplamente testada? A Árvore da Vida de Darwin é uma miragem ou uma realidade comprovada por esses testes? O registro fóssil comprova a hipótese transformista de Darwin ou não? A evolução humana é um assunto científico polêmico e controverso dentro da comunidade? Se sim, por que???

O que os adeptos da TDI fazem com os discípulos de Darwin é apontar as insuficiências fundamentais da teoria da evolução no contexto de justificação teórica (Acho que o Mali, mal sabe o que é isso). São justamente esses buracos e pontos epistêmicos fundamentais obscuros em teorias da origem e evolução da vida que a turma da TDI vem denunciando desde os anos 1990s.

Mali mal sabe que a posição do Papa Francisco – teísmo evolucionista, é rejeitada pela Nomenklatura científica, mas aceita unicamente para servir de Big Stick contra os que rejeitam essa posição, ou para cooptar os ainda em dúvida sobre a questão da evolução darwinista. Por que eles a rejeitam? Porque é péssima teologia e péssima ciência. A Bíblia, como qualquer literatura pode ser lida literalmente ou não, dependendo do que o texto está falando.

Nenhuma novidade, nenhuma mudança de direção na fala do Papa Francisco aos cientistas da Academia de Ciências do Vaticano, contra o que disseram outros papas, que permitiram que a evolução fosse discutida, com o claro entendimento de que a nossa criação é de Deus, e que descendemos todos de Adão e Eva, e que cada um recebe sua alma de Deus (Humani Generis, 1950, Papa Pio XII).

A TDI é uma teoria de detecção de design, e propõe a agência inteligente como um mecanismo que causa a mudança biológica. A TDI permite que expliquemos como surgiram certos aspectos de complexidade biológica observadas, e outras complexidades naturais. E usamos o método científico para fazer isso.

Mali precisa fazer sua tarefa de história sobre a TDI: ela surgiu nos anos 1990s nos Estados Unidos, mais precisamente em Pajaro Dunes, Califórnia, numa reunião liderada por Phillip Johnson. Está correto quanto à TDI no Brasil: um pequeno grupo de alunos e alguns professores de pós-graduação da Unimep, Piracicaba, SP, em 1998 – não cabia mesmo numa Kombi, e hoje somos mais de 300 com mestrado e doutorado. Tivemos que voar abaixo do radar porque a Nomenklatura científica, com representantes como o Leandro Russovski Tessler, era suicídio acadêmico defender abertamente a TDI como hoje fazemos. Tessler é um tigre de papel. Ruge, mas não morde!

O NBDI – Núcleo Brasileiro de Design Inteligente vai dar lugar para a SBDI – Sociedade Brasileira de Design Inteligente. Vai ser considerado um manifesto sobre o ensino da evolução e a TDI nas escolas e universidades públicas. Reitero, sou contra, e serei voto vencido, mas vamos ver o que vai ser considerado.

Causa náuseas ler de um cientista da USP, Mario de Pinna, afirmar que o ensino da TDI vai fazer o Brasil motivo de risos do mundo. Mario, fique tranquilo, relaxe e goze até o dia 16 de novembro: não sei lhe dizer o que resultará do que for referendado em assembleia da SBDI. Agora, Pinna, causa profunda revolta e nojo é você ensinar como verdade científica uma teoria científica que colapsou no seu cinturão epistêmico duro – a seleção natural, e isso no contexto de justificação teórica. E mais, causa espécie os darwinistas se oporem vigorosamente ao ensino de qualquer evidência científica ou ponto de vista que vá contra Darwin. A ciência e a mentira não andam de mãos dadas, mas ultimamente tem andado... Sem falar na arrogância dos discípulos de Darwin...

Mali, seu menino malvado, você é encontrado novamente em descompasso com a verdade sobre o caso de Dover – não foi porque a TDI era ensinada numa escola. Os pais levaram à justiça a escola por causa de uma nota que era para ser lida antes das aulas de ciência de que a teoria da evolução de Darwin era apenas uma teoria e que haviam outras como a TDI. Fomos contra. Chamados para depor, lá fomos, amicus curiae, e o juiz definiu num tribunal que a TDI não é ciência, mas criacionismo disfarçado. Mali, sabe de nada inocente, essa decisão é local e cabe recurso, pois não foi uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos. Não iremos, até onde sei, recorrer, pois entendemos que ciência é corroborada pelas evidências e não é definida em tribunais, muito menos por um juiz que usou 99% dos dados da acusação na sua decisão. Vide

Mali, você mais uma vez é apanhado em descompasso com a verdade sobre a TDI – que seguimos o método científico para concluir que Deus existe! O método científico apenas corrobora as teses da TDI, nada diz sobre a ontologia de Deus. Aliás, se fizesse, não seria uma teoria científica, mas um credo de fé de subjetividades religiosas. Essa questão de quem é o Designer, não é assunto científico, mas filosófico-teológico. Vide

Quanto ao termo ‘design inteligente’ encontrado no livro Of Pandas and People, vide

Mali, mais uma vez apanhado em descompasso com a verdade dos fatos. A resolução da AAAS – American Associationfor the Advancement of Science (a SBPC dos gringos) foi emitida em 18/10/2002 e não em 2013... Vide resposta ao folhetim ideológico da AAAS.

Mali, se os manifestos da Sociedade Brasileira de Genética (vide nossa resposta: Manifesto da SociedadeBrasileira de Genética: uma "estudantada" sobre Ciência, Criacionismoe Design Inteligentee da Sociedade Brasileira de Paleontologia (vide nossa resposta A Sociedade Brasileira de Paleontologia écontra a liberdade acadêmica que questiona paradigmas colapsantes e consideranovas teorias científicasrecuperaram a definição popperiana de ciência – uma teoria, para ser científica, deve fazer previsões que possam ser confirmadas ou refutadas por outros cientistas, se aplicada à teoria da evolução de Darwin passaria ou seria reprovada magna cum laude? Vamos ao teste?

Pergunta 1: Existe mecanismo viável para gerar a sopa primordial?

Pergunta 2: Processos químicos não guiados podem explicar a origem do código genético?

Pergunta 3: Mutações aleatórias podem gerar a informação genética requerida para estruturas irredutivelmente complexas?

Pergunta 4: Por que a seleção natural luta para fixar características vantajosas nas populações?

Pergunta 5: O surgimento abrupto de espécies no registro fóssil (Explosão Cambriana) apoia a evolução preconizada por Darwin?

Pergunta 6: A biologia moderna teve êxito total na produção de uma “Árvore da Vida”?

Pergunta 7: A evolução convergente fortalece o Darwinismo ou destrói a lógica por detrás da ancestralidade comum?

Pergunta 8: As diferenças entre os embriões de vertebrados fortalecem ou contradizem as predições de ancestralidade comum?

Pergunta 9: O neodarwinismo tem êxito em tentar explicar a distribuição biogeográfica de muitas espécies?

Pergunta 10: O neodarwinismo tem uma longa história de predições inexatas sobre os órgãos vestigiais e o DNA “lixo”?

Pergunta extra: Por que os humanos mostram muitos comportamentos e capacidades cognitivas que, aparentemente, não oferecem nenhuma vantagem de sobrevivência?

Mario Pinna, Leandro Russovski Tessler, se não souberem responder, perguntem ao Mali...

Um teste científico para contrapor o teste científico para demonstrar a hipótese da existência de Deus, na maior certeza cartesiana de Mali: existe algum teste científico para demonstrar a hipótese da existência do ancestral comum, em termos moleculares e morfológicos??? Assim - um Australopithecus afarensis se transmutacionar em Antropólogo amazonense...

Neste artigo dourando a pílula para a Nomenklatura, Mali, na sua inocência evangélica, oops jornalística, disse que a dúvida é bem-vinda em ciência, que quando necessário, teorias são melhoradas ou descartadas. Sabe de nada, inocente. Parece que nunca leu A Estrutura das Revoluções Científicas, de Thomas Kuhn – há resistência da parte da Nomenklatura contra aqueles que duvidam dos paradigmas vigentes, e nem sempre as teorias são melhoradas ou descartadas. Quer prova mais recente? Olha só a resistência da Nomenklatura científica contra a turma da TDI – é gratuitamente por que defendemos uma pseudociência? Não, Mali, é porque ousamos dizer – Darwin kaput! Darwin está nu e tem algo de podre na Akademia... 

Quem sempre aborda religião quando a questão é Darwin são os ateus, e fazem isso para desqualificar e demonizar os oponentes tentando silenciá-los! Mas para dourar a pílula de Darwin, ah, a religião vive com esses consensos! Desculpe, mas consenso é coisa de políticos, geralmente acordos feitos à revelia da sociedade... E nas trevas...

Contra Marcelo Gleiser, outro físico ignorante sobre o caráter científico da TDI, ficar sabendo com esta lição de TDI 101:

A TDI é uma teoria de detecção de design, e propõe a agência inteligente como um mecanismo que causa a mudança biológica. A TDI permite que nós expliquemos como surgiram os aspectos observados de complexidade biológica, e outras complexidades naturais, e utiliza o método científico para fazer suas afirmações.

O método científico é geralmente descrito como um processo de quatro etapas envolvendo observações, hipóteses, experimentos, e conclusão:

Observação: agentes inteligentes produzem informação complexa e especificada (ICE).

Hipótese: se um objeto natural for intencionalmente planejado, ele conterá altos níveis de ICE.

Testes experimentais: os objetos naturais são testados para determinar se eles contêm informação complexa e especificada – engenharia reversa de estruturas biológicas através de experimentos de silenciamento para determinar se elas exigem todas as suas partes para funcionar.

Conclusão: sendo descoberta complexidade irredutível em uma estrutura biológica, os cientistas concluem que ela foi intencionalmente planejada.

QED: A TDI é uma teoria científica minimalista sobre a detecção de sinais de inteligência.

A TDI cria problemas para a religião, Marcelo Gleiser? Em que sentido? O Darwinismo sob a ótica da religião é ateísmo. Isso não é destacado por que, Gleiser? Dawkins afirmou que antes de Darwin era possível ser ateu, mas depois de Darwin agora é possível ser um ateu plenamente satisfeito... Gleiser é judeu, mas deve ser ateu...

Quanto à complexidade irredutível de Behe, por mais que Eli Vieira (um mero doutorando de genética) et caterva queiram, a tese de Behe (um Ph. D. e professor com estabilidade na universidade) não foi falsificada. Nem os programas de computadores conseguiram isso. Digital Irreducible Complexity: A Survey of Irreducible Complexity inComputer Simulations

Em ciência, Vieira, o que manda são evidências, e você nem mencionou uma pesquisa, um paper que tenha falsificada a tese de Behe. Que tipo de doutor você vai ser??? Pobre ciência...

Desconheço que o olho humano seja um órgão ao gosto dos defensores do DI por ser complexo demais. O que sei existir na literatura é que, apesar de os cientistas apresentarem seus cenários de como se deu a evolução da visão, falta responder com evidências:

A evolução bioquímica da capacidade fundamental de perceber a luz;

A origem do primeiro “ponto sensível à luz”;

A origem dos caminhos neurológicos para transmitir o sinal óptico para um cérebro;

A origem de uma reação comportamental permitindo sensibilidade à luz para dar alguma vantagem comportamental ao organismo.

A origem das lentes, córnea e íris nos vertebrados;

A origem do olho composto nos artrópodes.

Mali, é fácil admirar a beleza da complexidade e diversidade das formas biológicas aonde as evidências forem dar. Quanto ao olhar da fé, quando fazemos ciência, nós da TDI – non fingo hypotheses! 

É, parece que o ser humano foi mesmo planejado intencionalmente!

P. S.: Só agora reparei - todos os cientistas contatados por Tiago Mali, até onde sei, são ateus! Pobre ciência!