Carta aberta para a Royal Society considerar a primazia de Patrick Matthew na descoberta da seleção natural

terça-feira, fevereiro 24, 2015

Open letter to the Royal Society. 20.01.2015

Dear Royal Society

Charles Darwin (FRS), Alfred Russel Wallace, and Richard Dawkins (FRS) and others, among whom I include myself, acknowledge that Patrick Matthew (1831) – in his book On Naval Timber and Arboriculture – published the full theory of natural slection many years before Darwin and Wallace put pen to private notepaper on the topic and 28 years before Darwin and Wallace (1858) had their papers read before the Linnean Society.

Matthew uniquely coined his discovery the ‘natural process of selection’ and 29 years later Darwin uniquely shuffled Matthew’s term into his own unique re-coinage the ‘process of natural selection’. Darwin and Wallace each claimed to have arrived at exactly the same theory, used the same terminology and the same unique explanatory examples, independently of Matthew and independently of one another.

The purpose of my open letter, therefore, is to request of the Royal Society an official statement to explain whether the Royal Society will affirm that Patrick Matthew, by dint of his achievement at publishing first one of the greatest discoveries in science, should be officially awarded full priority over both Darwin and Wallace for his great unique breakthrough?

I presume the Royal Society has not unofficially changed its views on the rules of priority? In this regard I wish to remind the Royal Society of the Arago Effect to which it has adhered in all other disputes over priority for discovery in science – which is that being first is everything.

Ignoring the convention of priority, and specifically ignoring the Arago Effect, Richard Dawkins (2010) and others have created a new, unique in the history of scientific discovery, “Dawkins’ Demand Rule” , which is that Dawkins demands that Matthew should not have priority over Darwin and Wallace because it was previously their mere un-evidenced ‘knowledge belief’ that Matthew’s unique views went unnoticed. And because Dawkins demands that Matthew should have “trumpeted his discovery from the rooftops” at a time of great social unrest and tension when his political ideas, linked to and including his natural selection discovery, were criminally seditious and heretical. However, newly available Big Data research techniques reveal solid evidence, from the independently verifiable published literature, that Matthew’s (1831) book was, in fact, (all pre 1858) cited by other naturalists known to Darwin/Wallace – including Loudon (who edited and published two of Blyth’s influential papers), Robert Chambers (who wrote the highly influential book on evolution – the Vestiges of Creation) and Prideaux John Selby (who edited and published Wallace’s Sarawak paper). (see: my peer reviewed paper for this new evidence ).

In sum, would the Royal Society please make an official statement regarding whether or not it has abandoned its former acceptance of the Arago Effect? (see for references to papers on it:

If the Royal Society is quietly in approval of an unannounced exception to the rule of priority in the case of Patrick Matthew would it be so good as to explain why? And if so, could the Royal Society please go further than remaining publicly silent on this important issue of contested priority by making an official statement regarding whether or not they have adopted a unique and biased Darwinist ‘made for Matthew’ rule?

Yours sincerely

Dr Mike Sutton (Reader in Criminology and Sociology)
School of Social Sciences
Nottingham Trent University


Dr. Sutton escreveu este livro denunciando a fraude perpetrada por Darwin quanto à descoberta do termo e princípio da seleção natural: Nullius in verba - Darwin's Greatest Secret.

Sou cético de determinados céticos, especialmente dos céticos seletivos!

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Existem céticos e céticos. Honestos e desonestos. Local e geral. E céticos seletivos que não são capazes de serem céticos de seu ceticismo. Este site veio em boa hora!!!

Resolução geoespacial da diversidade humana e bacteriana com metagenômica em escala da cidade de Nova York


Geospatial Resolution of Human and Bacterial Diversity with City-Scale Metagenomics

Ebrahim Afshinnekoo1, 2, 3, 21, Cem Meydan1, 2, 21, Shanin Chowdhury1, 2, 4, Dyala Jaroudi1, 2, Collin Boyer1, 2, Nick Bernstein1, 2, Julia M. Maritz5, Darryl Reeves1, 2, 6, Jorge Gandara1, 2, Sagar Chhangawala1, 2, Sofia Ahsanuddin1, 2, 7, Amber Simmons1, 2, Timothy Nessel8, Bharathi Sundaresh8, Elizabeth Pereira8, Ellen Jorgensen9, Sergios-Orestis Kolokotronis10, Nell Kirchberger1, 2, Isaac Garcia1, 2, David Gandara1, 2, Sean Dhanraj7, Tanzina Nawrin7, Yogesh Saletore1, 2, 6, Noah Alexander1, 2, Priyanka Vijay1, 2, 6,



• Almost half of all DNA present on the subway’s surfaces matches no known organism.

• Hundreds of species of bacteria are in the subway, mostly harmless. More riders bring more diversity.

• One station flooded during Hurricane Sandy still resembles a marine environment.

• Human allele frequencies in DNA on surfaces can mirror US Census data.


The panoply of microorganisms and other species present in our environment influence human health and disease, especially in cities, but have not been profiled with metagenomics at a city-wide scale. We sequenced DNA from surfaces across the entire New York City (NYC) subway system, the Gowanus Canal, and public parks. Nearly half of the DNA (48%) does not match any known organism; identified organisms spanned 1,688 bacterial, viral, archaeal, and eukaryotic taxa, which were enriched for harmless genera associated with skin (e.g., Acinetobacter). Predicted ancestry of human DNA left on subway surfaces can recapitulate U.S. Census demographic data, and bacterial signatures can reveal a station’s history, such as marine-associated bacteria in a hurricane-flooded station. Some evidence of pathogens was found (Bacillus anthracis), but a lack of reported cases in NYC suggests that the pathogens represent a normal, urban microbiome. This baseline metagenomic map of NYC could help long-term disease surveillance, bioterrorism threat mitigation, and health management in the built environment of cities.



Parece que tem muita coisa aí que nós não sabemos: 48% das sequências não correspondem com nada nos bancos de dados da pesquisa! Realmente - tem muita coisa em ciência, especialmente em biologia evolucionária que nós nada sabemos, mas lemos muitas afirmações categóricas de que a origem e evolução da vida em toda a sua diversidade e complexidade já foi explicada. Nada mais falso! Hoje, fevereiro de 2015, a teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z (vai que um deles falhe...) está mais furada do que queijo suíço, e já está sendo recauchutada intramuros pela SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA/ESTENDIDA que será anunciada somente em 2020!

Os seres humanos têm milhares de células de tipos células, e as perguntas deste blogger para os gigantes da metagenômica tupiniquim são as seguintes:

1. A sequência de DNA em um tipo de célula difere da sequência de outro tipo de célula na mesma pessoa?

2. Os cientistas sabem realmente que a sequência de DNA em uma pessoa é a mesma em todo o seu corpo?

Se você tem mestrado ou doutorado em Biologia/Genética e participa de Grupos de Trabalhos e Pesquisas em Metagenômica, gostaria de ouvir suas respostas baseadas em evidências encontradas em pesquisas científicas.

E Darwin explicou a origem e evolução das espécies? Sabemos que o fato, Fato, FATO da evolução é tão cientificamente comprovado assim como a Terra gira em torno do Sol e a Lei da Gravidade? E ainda parece que há muito mais que nós nada sabemos???

Pano rápido que a teoria da evolução de Darwin não é assim uma Brastemp e nem está com toda a Coca-Cola que a Galera dos meninos e meninas de Darwin e os acólitos da Grande Mídia propagam como DOGMA!!! 

Coração: uma máquina mais finamente ajustada do que um motor de Ferrari

sábado, fevereiro 21, 2015

Myosin-binding protein C corrects an intrinsic inhomogeneity in cardiac excitation-contraction coupling

Michael J. Previs, Benjamin L. Prosser, Ji Young Mun, Samantha Beck Previs, James Gulick, Kyounghwan Lee, Jeffrey Robbins, Roger Craig, W. J. Lederer, David M. Warshaw

+ Author Affiliations

Sci. Adv. 2015;1:e1400205 20 February 2015


The beating heart exhibits remarkable contractile fidelity over a lifetime, which reflects the tight coupling of electrical, chemical, and mechanical elements within the sarcomere, the elementary contractile unit. On a beat-to-beat basis, calcium is released from the ends of the sarcomere and must diffuse toward the sarcomere center to fully activate the myosin- and actin-based contractile proteins. The resultant spatial and temporal gradient in free calcium across the sarcomere should lead to nonuniform and inefficient activation of contraction. We show that myosin-binding protein C (MyBP-C), through its positioning on the myosin thick filaments, corrects this nonuniformity in calcium activation by exquisitely sensitizing the contractile apparatus to calcium in a manner that precisely counterbalances the calcium gradient. Thus, the presence and correct localization of MyBP-C within the sarcomere is critically important for normal cardiac function, and any disturbance of MyBP-C localization or function will contribute to the consequent cardiac pathologies.

FREE PDF GRATIS: Science Advances


Rupert Sheldrake sobre o delírio da ciência: a TED baniu este vídeo!

sábado, fevereiro 14, 2015

É Design Inteligente aos borbotões em uma "simples" célula em ação diante dos olhos que até cegos "enxergam"

segunda-feira, fevereiro 09, 2015

Time, energy and storage capacity determine the measurement accuracy of the 'cell computer'

Researchers from FOM institute AMOLF have discovered what determines the accuracy with which cells can measure chemical concentrations.

They described the results of their research in two publications: on 24 November online in the Proceedings of the National Academy of Sciences and on 16 December in Physical Review Letters.

Whether it is bacteria searching for food or human cells that are differentiating into a brain cell, all living cells must respond to signals from their environment. These signals consist of chemical concentrations of nearby molecules.  

Cell computer 

Cells are able to measure these chemical concentrations with unprecedented precision thanks to receptor proteins on their surface, which bind to the surrounding molecules. A network of chemical reactions subsequently transmits the signal into the cell.  

These networks are the information processing machines of a living cell, comparable with a computer. Just like a computer, the cellular system needs time, energy and storage capacity to function. A large difference between a computer and a cellular measurement system is that cellular processes are very noisy, as a result of which it was not yet clear how cells can measure concentrations with such a high precision. 

The AMOLF researchers have now developed a theory that describes the accuracy of a concentration measurement based on the number of proteins present, the time and the energy that the cell invests in each measurement. 

Optimal design

The researchers first looked at passive cellular detection systems, which consume no energy. In these systems the amount of receptor proteins, the proteins that bind the surrounding molecules, limits the number of measurements the cell can perform. The cell computer takes an average of this number to determine the overall molecule concentration.

To obtain a more accurate estimate of the concentration, the cellular system must remember measurements from the past. However, this requires time, energy and other proteins to store the information. To the researchers' surprise, these three resources determine the accuracy of the measurements like links in a chain. The precision is limited by the resource that is the least present.  

This observation led the researchers to a design principle not previously identified for this type of system: in an optimal measurement system all of the links are equally strong. The network that enables the bacterium E. coli to find food was found to obey this principle.  

The researchers expect that this design logic of cellular systems can also be used to develop efficient synthetic systems and materials.


[1] Energy dissipation and noise correlations in biochemical sensing, Chris Govern & Pieter Rein ten Wolde, Phys. Rev. Lett. (2014) 

[2] Optimal resource allocation in cellular sensing systems, Chris Govern & Pieter Rein ten Wolde, Proc. Natl. Acad. Sci. USA (2014), 111/49, 17486-17491 | DOI: 10.1073/pnas.1411524111

Figure caption: Living cells measure concentrations of molecules (blue) via biochemical networks consisting of proteins that react with each other. Researchers from AMOLF have now developed a theory that describes how the measurement accuracy is determined by the number of proteins, the measurement time and the energy that the system consumes.



Professores, pesquisadores e alunos de universidades públicas e privadas com acesso ao site CAPES/PERIODICOS podem ler gratuitamente o artigo do Physical Reviews Letters e de mais 37.000 publicações científicas.


P.S.: Linguagem teleológica de cabo a rabo. Os menos informados creem que Darwin eliminou a teleologia de vez na Biologia. NADA MAIS FALSO!!! A cada descoberta biológica mais e mais complexidade é revelada, e a teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z (vai que um falhe...) fica demonstrada sua fragorosa falência epistêmica no contexto de justificação teórica (eles odeiam isso em ciência!). 

A "mágica" da evolução biológica

terça-feira, fevereiro 03, 2015

No artigo Nasce a evolução biológica, publicado na Folha de São Paulo, em 02/02/2014, Salvador Nogueira iniciou assim o artigo: 

“Mais um dos mistérios que cercam a origem da vida parece ter sido decifrado por um quarteto de cientistas na Alemanha. Eles basicamente descobriram como a evolução pode ter recebido o pontapé inicial da natureza, sem nenhuma ajuda externa.

Talvez surpreenda, sobretudo para aqueles que se apegam a expressões “curinga” como “complexidade irredutível” para se esquivar do problema científico do surgimento da vida, o fato de a solução encontrada pelos pesquisadores — e testada em laboratório — ser de uma simplicidade franciscana.”

A pesquisa em questão Heat flux across an open pore enables the continuous replication and selection of oligonucleotides towards increasing length, de Moritz Kreysing et al foi publicada na Nature Chemistry.

Quase parei de ler o artigo do Salvador Nogueira depois desses dois parágrafos: um jornalista científico falando em “mistérios”, que a evolução não precisa de ajuda externa, e que os defensores do Design Inteligente se apegam à “complexidade irredutível” como “curinga” para se esquivarem do problema científico da origem da vida. A primeira é que em ciência não se fala de mistérios, a segunda é afirmar que a evolução não pode ser dirigida é beirar a onisciente, e nada mais falso sobre a última: nós do Design Inteligente entendemos a complexidade da questão – o status quo das pesquisas sobre a origem da vida está carente de evidências e pródiga de especulações e pesquisas tentando comprovar esses “mistérios” sobre a origem da vida: nada de “mágica”.

Será que a evolução pode ter recebido o pontapé inicial da natureza, sem nenhuma ajuda externa? Será que a origem da vida é coisa muito simples e falta muito pouco para entendermos a coisa toda? Será que estamos quase lá? Os microporos quentes seriam realmente os mecanismos para a formação dos precursores da vida – a replicação do DNA? 

O experimento foi elaborado para imitar os microporos de rochas quentes em um suposto ambiente da Terra primitiva há bilhões de anos atrás. O que vimos, e reitero o que expressei no blog do Salvador Nogueira – o experimento, sem querer querendo, demonstrou – processos estritamente naturalistas não são capazes de ter originado a primeira vida, antes, como nos demais casos de experimentos sobre a origem da vida – é imperativo ter uma mente por detrás de todo o processo.

Os pesquisadores imitaram esses microporos usando tubos de vidro microcapilares. Para esta hipótese funcionar, o microporo deve estar quente em uma extremidade e frio na outra. Quando uma das extremidades foi aquecida, os pesquisadores permitiram que água com fragmentos de DNA dissolvidos, de tamanhos variados, gotejassem através desses tubos de vidro microcapilares. Os fragmentos maiores de DNA foram os que começaram a replicar usando o gradiente de água quente e fria. Interessante, isso parece muito com uma técnica usada em biologia - a reação em cadeia de polimerase (Polymerase Chain Reaction, em inglês), que multiplica a fita de DNA. Esta técnica passa por ciclos de aquecimento e esfriamento para copiar os filamentos de nucleotídeos com as bases fornecidas. À medida que os ciclos ocorrem, altas concentrações de cadeias de um específico nucleotídeo se formam.

A “coisa muito simples” e o “falta muito pouco para entendermos a coisa toda” não é tão simples assim, e falta muito para compreendermos o que pode ter originado a vida: um dos maiores mistérios científicos insolúvel até aqui. Para os que defendem a visão de algum tipo de nucleotídeo primeiro para a origem da vida, é mister lembrar que existem vários requisitos para que esta pré vida ocorra na Terra primitiva. Primeiro, é preciso grandes concentrações de bases, substratos para a formação de cadeias de nucleotídeos (para agir como catalizador), e que as bases estejam organizadas em uma ordem funcional específica. Além disso, e o mais importante dos que querem explicar a origem da vida por processos estritamente naturalistas – é que isso teria de ser um processo não dirigido, irracional, cego e aleatório. Não foi o caso do experimento: tinha mente por detrás do experimento guiado e controlado.

Perguntas que devem ser feitas sobre esta pesquisa/experimento – ela preencheu os requisitos acima? Os pesquisadores forneceram altas concentrações de bases livres, mas de onde elas vieram na água da Terra primitiva? Antes da replicação, é preciso que filamentos de DNA existam. De onde eles vieram na Terra primitiva, e por que já estavam formados? Além disso, é preciso pressupor a existência de outras formações moleculares nesta Terra primitiva, muitas delas teriam que ser moléculas muito reativas, destruindo os filamentos de DNA desprotegidos. 

O que parece ser uma simplicidade franciscana é, na verdade, extremamente complexo. Até onde sabemos cientificamente, nenhuma lei natural especifica as sequências significativas de nucleotídeos. Muito menos a aleatoriedade cria sequências funcionais de informação. Como que este hipotetizado gradiente frio/calor de replicação se acoplou em um sistema de replicação baseado em proteína? Por que DNA se replicaria para formar a vida? Por que um processo não guiado, irracional, cego e aleatório criaria a vida a partir do DNA? 

Quando afirmei que o experimento é design inteligente em ação, é porque os pesquisadores tinham um objetivo em mente: demonstrar a hipótese de uma técnica natural tipo reação em cadeia de polimerase através de um aparato intencional e inteligentemente planejado para tal! Só que tudo, do começo ao fim, foi um processo iniciado e verificado por mentes. E mentes brilhantes que gastaram muitos anos de pesquisas focalizadas para chegar a um sistema como esse. Intrinsecamente, o que fica patente é que este experimento demonstra que mentes, em vez de evolução química não dirigida, aleatória e cega, estavam agindo. Por isso afirmei, design inteligente em ação e diante de nossos olhos!

Embora interessante, a pesquisa mostra mais uma vez a fraqueza epistêmica das explicações estritamente naturalistas, pois a elaboração intencional da hipótese e do aparelho objetivando um fim específico demonstra que a mais plausível explicação para a primeira vida na Terra é o design inteligente.

Origem da vida – mysterium tremendum! E apesar de todas as teorias e pesquisas sobre ela, os cientistas honestos dizem: nós ainda não sabemos como se originou a vida na Terra!